Percepção sobre os Fatores do Gerenciamento de Riscos Corporativos que Influenciam o Planejamento Estratégico

Corinto Lucca Arruda, Fernando Menchini, Paschoal Tadeu Russo

Abstract


Nesta apesquisa foi desenvolvido (teoricamente) e testado (empiricamente) um instrumento que possibilita avaliar a influencia da gestão de riscos corporativos no planejamento estratégico. Para isso foi desenvolvido um modelo por meio da integração do COSO ERM – 2017, e das etapas do Planejamento Estratégico (diagnóstico estratégico, formulação da estratégia, implementação da estratégia, e avaliação e controle da estratégia). O instrumento evidenciou a percepção dos respondentes sobre a relevância da influência da Gestão de Riscos Corporativos sobre o Planejamento Estratégico, possibilitando identificar diversas oportunidades e de iniciativas que contribuam com a integração entre essas práticas de gestão. Dessa forma, recomenda-se o uso do instrumento de avaliação desenvolvido nessa pesquisa por empresas que buscam integrar elementos de gestão de risco em seus planejamentos.


Keywords


Gerenciamento de riscos corporativos; COSO ERM; Planejamento estratégico

References


AON (2015). Risk Solutions. Pesquisa Global de Gerenciamento de Riscos. Disponível em Acesso em 08 de julho de 2017.

Ansoff, H. I. (1957). Strategies for Diversification. Harvard Business Review. V. 35 (5), pp.113-124.

Bethlem, A. (1998). Estratégia empresarial: conceitos, processo e administração. São Paulo. Atlas.

Bromiley, P., Mcshane, M., Nair, A., & Rustambekov, E. (2015). Enterprise risk management: Review, critique, and research directions. Long range planning, 48(4), 265-276.

COSO (2004). Committee of Sponsoring Organizations of the Treadway Commission. Enterprise Risk Management – Integrated Framework: Executive Summary.

COSO (2016) Committee of Sponsoring Organizations of the Treadway Commission. Enterprise Risk Management – Aligning Risk with Strategy and Performance: Executive Summary.

COSO (2012). Committee of Sponsoring Organizations of the Treadway Commission. Enterprise Risk Management – Understanding and Communicating Risk Appetite.

COSO (2017). Committee of Sponsoring Organizations of the Treadway Commission. Disponível em Acesso em 28 de julho de 2017.

Gitman, L. J. (2001). Princípios de Administração Financeira. 2ª Ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

IBGC. (2017). Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. Caderno Gerenciamento de Riscos Corporativos - Evolução em Governança e Estratégia. Disponível em: Acesso em 08 de julho de 2017.

Kaplan, R. S. & Norton, D. P. (1997). A estratégia em ação – Editora Campus

Kaplan, R.S. & MIKES, A. (2012). Managing risks: a new framework. Revista Harvard Business Review.

KPMG (2016). Gerenciamento de riscos - Os principais fatores de risco apresentados pelas empresas abertas brasileiras. Disponível em . Acesso em 09 de julho de 2017.

Manab, N. A., Kassim, I., & Hussin, M. R. (2010). Enterprise-wide risk management (EWRM) practices: Between corporate governance compliance and value. International Review of Business Research Papers, 6(2), 239-252.

Osterwalder e Pigneur (2010). Business Model Generation: A Handbook for visionaries, game changers, ad challengers. John Wiley & Sons. New Jersey.

Mintzberg, H. (1993). The pitfalls of strategic planning. California Management Review, 36(1), 32-47.

Parisi; C. (2011). Capítulo 5 – Planejamento e Controle. In: Contabilidade Gerencial. Parisi, C. / Megliorini; E.. Editora Atlas, SP

Peleias, I. R.; Caetano, G.; Parisi, C.; Pereira, A. C. (2013). Produção científica sobre controle interno e gestão de riscos no EnAnpad e Congresso USP: Análise bibliométrica no período 2001-2011. Revista Universo Contábil, FURB, Blumenau, v. 9 (4), pp. 29-49.

Porter, M. E. (1989). Vantagem Competitiva – Criando e sustentando um Desempenho Superior - 12ª ed. – Rio de Janeiro – Campus

PWC (2017). 20th CEO Survey. Disponível em Acesso em 08 de julho de 2017.

PMBOK (2013). Um Guia do Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK®) Quarta edição Project Management Institute, Four Campus Boulevard, Newtown Square, PA 19073-3299 EUA

Santos, P. S. M. (2002). Gestão de Riscos Empresariais, 1ª Ed. São Paulo: Novo Século.

Silva, E, L. & Menezes, E. M. (2000). Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. Florianópolis, Laboratório de Ensino a Distância da UFSC.

Silva, M. (2013). Gerenciamento de riscos corporativos sob o enfoque da teoria contingencial: estudo de caso em uma organização hospitalar. Furb. Blumenau, 285. Tese de doutorado.

Solomon, E. & Pringe, J. J. Introdução à administração financeira. São Paulo: Atlas, 1981.

Terence, A. C. F. (2002). Planejamento estratégico como ferramenta de competitividade na pequena empresa: Desenvolvimento e avaliação de um roteiro prático para o processo de elaboração do planejamento. Dissertação de Mestrado em Engenharia de Produção. Universidade de São Paulo. Escola de Engenharia de São Carlos – Departamento de Produção

Yazid, A. S., Hussin, M. R., & Daud, W. N. W. (2011). An examination of enterprise risk management (ERM) practices among the government-linked companies (GLCs) in Malaysia. International Business Research, 4(4), 94.

Fleury, M. T. L., & Werlang, S. R. D. C. (2017). Sessão I-Rigor Metodológico nas Diversas Áreas de Conhecimento.




DOI: https://doi.org/10.24023/FutureJournal/2175-5825/2019.v11i2.341

Article Metrics

Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM




Copyright (c) 2019 Future Studies Research Journal: Trends and Strategies

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Future Stud. Res. J. e-ISSN: 2175-5825

Mailing Address: Avenida Drª Ruth Cardoso, 7221 - CEP 05425-070 - Pinheiros - São Paulo/SP - Brasil

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.